"Life feels like a midnight ride..." - SOAD

28 de dezembro de 2015

Wrap Up 2015 - Os desafios (quase) realizados

O ano já está nos seus finalmentes e está na hora de olhar para trás e recordar as maravilhosas histórias que conheci ao longo do ano.

Por norma não costumo ser uma leitora muito consistente - tanto me apetece ler um livro de terror psicológico como, logo a seguir, pego num livro mais juvenil e fofo ou posso ler três ou quatro livros numa semana e logo a seguir passar dois meses com a mesma história -, o que me fez sempre afastar de maratonas, desafios e afins. No entanto, este ano decidi experimentar um desafio Goodreads e, entretanto, encontrei um desafio literário no 9GAG que, apesar de ter imensos pontos, me pareceu divertido e fazível e decidi fazê-lo também. Sem pressões.

Ora bem, rescaldo dos desafios: Goodreads foi superado, 9GAG foi só batotas!

Para o Goodreads decidi ser mais ponderada e começar com um número modesto - 20 livros. Quando me propus ao desafio ainda não sabia, mas já calculava, que o ano iria ser tramado (não foi tramado, foi péssimo mesmo!!), por isso até estou bastante contente por ter conseguido ler 27 livros (28 a contar com a leitura actual que será terminada ainda antes do ano acabar).


Quanto ao desafio da desgraça, bem... foi uma desgraça! Já sabia que iria haver dois ou três pontos que não iriam ser feitos mas, tendo em conta os livros que tinha na estante para ler, o desafio augurava boas hipóteses. A coisa até arrancou bem mas descambou muito rapidamente e o resultado é um desafio cheio de batota (o mesmo livro vai dar para vários pontos). Siga!

1 - Um livro com mais de 500 páginas
A Rainha no Palácio das Correntes de Ar, de Stieg Larsson. Foi o maior livro que li este ano, com 720 páginas.
2 - Um romance clássico
O Coração é um Caçador Solitário, de Carson McCullers. Escrito nos anos 40, é considerado um clássico americano do século XX (e com motivos para isso).
3 - Um livro que se tornou um filme
O Marciano, de Andy Weir. Ainda não vi o filme, que foi lançado este ano, e estou um bocadinho na dúvida se veja ou não (o livro é tão, mas tão bom, que não quero ficar desiludida).
4 - Um livro publicado este ano
O Caçador do Verão, de Hugo Gonçalves. Muito contente por o ter lido.
5 - Um livro com um número no título
Às Dez a Porta Fecha, de Alice Vieira.
6 - Um livro escrito por alguém com menos de 30 anos
O Coração é um Caçador Solitário. Pelo que vi, Carson McCullers tinha 22 anos quando escreveu este livro.
7 - Um livro com personagens não-humanas
A Estranha Vida de Nobody Owens, de Neil Gaiman. Ora, encontrei fantasmas, hárpias, homens-sombra e outros seres sobrenaturais.
8 - Um livro engraçado
A Segunda Vinda de Cristo à Terra, de João Cerqueira. Uma sátira a Portugal cheia de momentos de riso fácil.
9 - Um livro de uma autora
Morto Para te Ver, de Cátia Santiago. Escolhi este porque adorei a escrita da autora, que não conhecia.
10 - Um mistério ou um thriller
Inferno, de Dan Brown. Adoro a capacidade do autor em criar ambientes cheios de suspense com mistérios e conspirações ancestrais.
11 - Um livro cujo título seja uma única palavra
Observações, de Jane Harris. A-ha, um livro lido de propósito para este desafio!
12 - Um livro de contos
Insonho, Durma Bem, de Valentina Silva Ferreira, Carlos Silva, Vítor Frazão, André Pereira, Francisco J. V. Fernandes, Ana Luiz, Miguel Raimundo, João Rogaciano e Inês Montenegro.
13 - O primeiro livro de um autor popular
Os Homens que Odeiam as Mulheres, de Stieg Larsson. Apesar do autor já ter falecido, a sua trilogia irá perdurar no tempo.
14 - Um livro de não-ficção
Rainhas Malditas, de Cristina Morató.
15 - Um livro passado noutro país
Qual escolher? A História de Lupita, de Laura Esquivel, passa-se no México.
16 - Um livro de um autor que adores e que ainda não tenhas lido
Inferno. Adoro Dan Brown (o meu guilty pleasure!).
17 - Um livro recomendado por um amigo
Uma Noite em Lisboa, de Erich Maria Remarque. Tenho um camarada de livros no meu trabalho que tem gostos literários totalmente opostos aos meus. Um dia em conversa falou-se neste livro e o comentário foi algo do género: "Mas tu ainda não leste este livro?!". Pois...
18 - Um livro vencedor de um Pulitzer
Toda a Luz que não Podemos Ver, de Anthony Doerr. Completamente fantástico!
19 - Um livro baseado numa história verídica
Segredos de Amor e Sangue, de Francisco Moita Flores. Não é bem baseado numa história verídica, mas muito do que lá se encontra retratado é real, incluindo a história de Diogo Alves (o assassino do aqueduto).
20 - Um livro que esteja no final da tua TBR
Lápides Mortais, de Sharan Newman. Já tinha este livro há imenso tempo na prateleira e ia sempre ficando para trás, nem sei bem porquê. 
21 - Um livro que a tua mãe adore
Morto Para te Ver. No dia que este livro chegou cá a casa, a minha mãe pegou nele porque achou piada à capa e, quando dei por ela, já o tinha lido todo! 
22 - Um livro que te assuste
Nunca encontrei tal coisa. No dia em que encontrar um livro que realmente me assuste, vou-me dar por muito feliz!
23 - Um livro com mais de 100 anos
24 - Um livro baseado unicamente na sua capa
A Educação de Felicity, de Marion Chesney. O livro é todo tão giro!
25 - Um livro que devias ter lido na escola mas não leste
Como li todos os livros que deveria ter lido nos meus tempos de escola, acabei por escolher Às Dez a Porta Fecha, de Alice Vieira, unicamente por ter sido uma autora de quem falei nessa altura.
26 - Um livro de memórias
Rainhas Malditas. Mais uma vez, não é propriamente um livro de memórias mas como conta as histórias pessoais destas rainhas, vou encaixá-lo neste ponto.
27 - Um livro que consegues terminar em um dia
Às Dez a Porta Fecha. Um livro pequenino que li de rajada e me encheu tanto o coração.
28 - Um livro com antónimos no título
Rei, Capitão, Soldado, Ladrão, de Ruth Rendell. Acho que se podem considerar antónimos (faz de conta).
29 - Um livro passado num local que sempre quiseste conhecer
Observações. A história passa-se algures na Escócia, país que adorava visitar.
30 - Um livro com críticas más
O Monstro de Monsanto, de Pedro Jardim. Fiquei super entusiasmada quando este livro saiu porque a história prometia. No entanto, pouco após o seu lançamento, as más críticas abundaram. Não obstante, a curiosidade só aumentou e li-o na mesma.
31 - Um livro que tenha sido lançado no ano em que nasceste
Alguém conhece um bom livro que tenha sido lançado em 1986? Sei que o It, do Stephen King foi lançado nesse ano mas não o encontro por terras lusas :(
32 - Uma trilogia
Trilogia Millennium - Os Homens que Odeiam as Mulheres, A Rapariga que Sonhava com uma Lata de Gasolina e um Fósforo e A Rainha no Palácio das Correntes de Ar, de Stieg Larsson. Em minha defesa, quando os comecei a ler ainda era uma trilogia.
33 - Um livro da tua infância
34 - Um livro com um triângulo amoroso
Rei, Capitão, Soldado, Ladrão. Verdade seja dita, não existe um triângulo amoroso mas antes um octogono ou algo que o valha.
35 - Um livro passado no futuro
36 - Um livro passado no liceu/ secundário
37 - Um livro com uma cor no título
38 - Um livro que te faça chorar
Oh, qual escolher! Toda a Luz que não Podemos Ver. Fiquei destroçada com este livro.
39 - Um livro com magia
O Circo dos Sonhos, de Erin Morgenstern. É mesmo mágico, do início ao fim.
40 - Uma graphic novel
41 - Um livro de um autor de quem nunca leste nada
Mega batota para este ponto porque, de todos os autores que li, apenas um já tinha sido lido. Assim, farei o inverso e escolho o livro do autor que conhecia - Inferno, de Dan Brown.
42 - Um livro que tenhas na prateleira e que nunca leste
Again, estavam quase todos na prateleira. De qualquer forma, escolhi um dos que lá estavam há mais tempo - O Diário Perdido de Don Juan, de Douglas Carlton Abrams.
43 - Um livro que se passe na tua cidade
Tendo em conta que vivo quase na parvónia city, acho muito difícil encontrar algum livro que se passe por cá. No entanto, em 101 Lugares para ter medo em Portugal, de Vanessa Fidalgo, uma das histórias é passada na terra onde nasci, Vila Franca de Xira, por isso até que se enquadra.
44 - Um livro que tenha sido originalmente escrito noutra língua
Ah, quase todos. Mas vá, ainda não falei no Deste Lado da Luz, de Colum McCann.
45 - Um livro passado no Natal
46 - Um livro escrito por um autor com as tuas iniciais
47 - Um peça
48 - Um livro banido
49 - Um livro baseado ou que se tenha tornado numa série de tv
50 - Um livro que tenhas começado e que nunca terminaste

Como repararam, mega fail! No entanto, o que perdi em quantidade ganhei em qualidade porque acabei por ler livros muito bons. Espero sinceramente conseguir desforrar-me no próximo ano e já encontrei um novo desafio para apimentar as coisas, mas disso falarei depois.

P. S. Tenho montes de opiniões em atraso!! Humpf...

23 de dezembro de 2015

22 de dezembro de 2015

Tag de Natal

É Natal, é Natal, la la la lala! 
Como o tempo voa... Tinha tantas ideias para partilhar convosco e acabei por não fazer nada. Humpf... Shame on me! Deixem-me lá tentar dar a volta à coisa e dar um toque natalício ao Gritos.


Ora, vou entrar no espírito da quadra com uma TAG de Natal. Tenho visto esta TAG em alguns blogs e achei-a engraçada, por isso decidi "roubá-la" aqui para o cantinho. Perdoem-me, mas não faço ideia a quem a "roubei" (apontei as perguntas e, feita taralhouca, esqueci-me de apontar a fonte. Portanto, se for vossa, acusem-se, por favor! :p).
Vamos lá ver o que sai daqui, então.

Quando é que o Natal começa para ti?
Para mim o Natal só começa no dia 24. Sinceramente, faz-me imensa impressão que a quadra seja publicitada com tanta antecedência. Em Outubro já vemos montras com alusões ao Natal o que é estranho (especialmente nos últimos anos em que tem estado um calor abrasador por essa altura). Como, para mim, Natal não é necessariamente enfeites e prendas, é no dia 24, quando fazemos os bolos e os doces, quando a mesa é posta a rigor, quando se sente o cheiro da aletria, da lareira e do bacalhau com as couves, quando a família se começa a juntar, que a magia começa.

Qual é o filme de Natal que tens mesmo de ver?
O Sozinho em Casa! Natal que é Natal tem de ter o Sozinho em Casa a passar na TV!

Fazes um bolo de Natal ou compras?
Todos os anos faço o(s) bolo(s) em casa, mas este ano o meu forno decidiu tramar-me e deixou de funcionar. Lá terei de comprar um bolinho desta vez.

Quando é que montas a Árvore de Natal?
Não tenho um dia específico para montar a árvore, mas é sempre entre o dia 1 e o dia 8.

Tens uma Árvore de Natal verdadeira ou falsa?
Já há alguns anos que tenho uma falsa.

Quando é que começas a ouvir músicas de Natal?
Na avenida principal da minha terra costumam colocar colunas, logo no início de Dezembro, onde vão passando músicas natalícias. Como tenho de passar por lá todos os dias, começo logo cedo a ouvir o Jingle Bells. O mau da coisa? Tenho de passar por lá todos os dias e a variedade resume-se a 3 ou 4 músicas.

Usas sempre as mesmas decorações de Natal todos os anos ou compras novas?
Todos os anos arranjo um enfeite novo para juntar às velhas decorações.

Como passas a noite da véspera de Natal?
Depois do tradicional jantar com a família, o resto da noite é passada à mesa em frente à lareira e a enfardar bolos como se não houvesse amanhã, enquanto se recordam pessoas e momentos que nos deixaram saudades.

Calendário do advento ou não?
Tive uma vez um daqueles calendários com chocolates, mas a coisa não correu muito bem. Escusado será dizer que não tenho paciência para comer um chocolate por dia...

Deixas um lanche para o Pai Natal e as renas?
A mesa fica posta, se ele quiser que se desenrasque.

Como é que o Pai Natal entra na tua casa?
Teletransporte, caso contrário não se safa, especialmente com a lareira acesa.

Que cheiros te fazem lembrar do Natal?
Hum... o cheiro a fatias douradas e sonhos, aletria... Agora que penso nisso, é o cheiro a canela que me faz pensar no Natal a qualquer momento.

Como passas o dia de Natal?
Numa mesa rodeada de familiares e recheada de petiscos, histórias e risos fáceis.

O que esperas receber este Natal?
Quero paz e sossego, amor e saúde para mim e os meus (e para vocês!!). Ah... e livros, claro!

Não vou passar a TAG a ninguém em particular, por isso sintam-se à vontade para responderem. Se o fizerem, avisem que eu quero ir cuscar! :D

13 de dezembro de 2015

Opinião - "Os Homens que Odeiam as Mulheres", de Stieg Larsson

Os Homens que Odeiam as Mulheres
(Män som hatar kvinnor)
de Stieg Larsson

Edição: 2014
Páginas: 539
Editor: Dom Quixote
ISBN: 9789722055000
Colecção: Millennium I
Categoria: Ficção; Policial; Thriller
O jornalista de economia MIKAEL BLOMKVIST precisa de uma pausa. Acabou de ser julgado por difamação ao financeiro HANS-ERIK WENNERSTÖM e condenado a três meses de prisão. Decide afastar-se temporariamente das suas funções na revista Millennium. Na mesma altura, é encarregado de uma missão invulgar. HENRIK VANGER, em tempos um dos mais importantes industriais da Suécia, quer que Mikael Blomkvist escreva a história da família Vanger. Mas é óbvio que a história da família é apenas uma capa para a verdadeira missão de Blomkvist: descobrir o que aconteceu à sobrinha-neta de Vanger, que desapareceu sem deixar rasto há quase quarenta anos. Algo que Henrik Vanger nunca pôde esquecer. Blomkvist aceita a missão com relutância e recorre à ajuda da jovem LISBETH SALANDER. Uma rapariga complicada, com tatuagens e piercings, mas também uma hacker de excepção. Juntos, Mikael Blomkvist e Lisbeth Salander mergulham no passado profundo da família Vanger e encontram uma história mais sombria e sangrenta do que jamais poderiam imaginar.

Adoro pegar num livro expectante de que seja bom e, no final, ficar com a certeza de que além de bom, é brutal! Qualquer ideia pré-concebida sobre a história foi totalmente suplantada aqui.
Para além da acção descrita na sinopse, o autor conseguiu criar acções separadas onde um sem número de personagens, situações e temas díspares se conjugam perfeitamente. Não há um foco específico, mas sim vários que se vão interligando ao longo de toda a história, sendo os seus fios condutores as duas personagens principais, Mikael Blomkvist e Lisbeth Salander. Juntos, irão tentar descortinar um possível crime com quase 40 anos, lutar pela vida, descobrir mais do que pretendiam ao desenterrarem aquilo que deveria ficar escondido, manter a sanidade e criar entre ambos uma ligação emocional impensável, especialmente para Lisbeth, o verdadeiro "bicho do mato" por definição.

Toda a narrativa é bastante descritiva mas nem por isso maçadora, mesmo quando o autor nos conta o que foi o pequeno-almoço de alguém. Na minha opinião, esses pequenos pormenores enriquecem bastante as várias personagens, tornando-as humanas, reais, fazendo-nos sentir mais próximos destas.

Nota-se que todos os parágrafos foram pensados ao pormenor, pois tudo faz sentido, nem que seja 100 páginas à frente. Toda a investigação, todas as definições e explicações do autor (quase como notas de rodapé), todas as descrições (mesmo as mais grotescas) envolvem-nos intensamente, tornando quase impossível a tarefa de pousar o livro por um minuto.

De notar, também, a mensagem subjacente e, ao mesmo tempo, tão descarada e constante - a violência contra as mulheres. Todos os títulos da série evocam as mulheres, em todos os livros há referências ao papel diminuído das mulheres ao longo do tempo e aos números chocantes de casos de violência de que são vítimas. Em todas as suas histórias encontramos algum caso de violência ou discriminação contra mulheres mas sempre mostrando, logo a seguir, a sua força e capacidade de superação. É, de facto, de louvar a perspectiva do autor sobre o assunto que, com a sua escrita, parece querer quase elevar a mulher a um estatuto de Deusa, essa entidade que tudo passa, tudo aguenta mas tudo consegue vencer.

A parte chata de toda a série é o facto de todos os nomes de personagens, cidades, empresas, jornais, e etc., estarem escritos em sueco. Tendo em conta que toda a história se passa na Suécia, é mais do que normal não existir um Zé Manel ou uma Maria Armanda, o que sempre era mais fácil de ler...

Fora de brincadeiras, este livro é irrepreensível. Muito, muito bom em todos os sentidos e o qual passei a recomendar vivamente.

5 de dezembro de 2015

Opinião - "A História de Lupita", de Laura Esquivel

A História de Lupita
(A Lupita le gustaba planchar)
de Laura Esquivel

Edição: 2015
Páginas: 224
Editor: Edições ASA
ISBN: 9789892330587
Categoria: Ficção
Lupita é uma mulher fora de série. Forte. Ardente. Inesquecível. Numa sociedade obcecada com as aparências, o dinheiro e o poder, ela é uma heroína improvável. Uma lutadora que protege os mais fracos e injustiçados.
Lupita é também uma mulher com um passado doloroso. Frágil. Romântica. Devastada. Que vive com memórias agridoces de um tempo que, sabe, não voltará.
Na sua busca por amor, ela dá por si no lugar errado à hora errada. Bastarão apenas uns segundos para mudar a sua vida. Ao testemunhar um assassinato, Lupita passa a ser uma mulher marcada. Mas a revolta que nasce dentro de si é mais forte do que o medo que sente. A vítima, Arturo, era o único homem em que acreditava incondicionalmente. A sua morte leva-a a tomar uma decisão extrema: lutar até ao limite das suas forças e fazer justiça… por Arturo, por si própria e por todos aqueles que não têm voz.
A escritora mexicana Laura Esquivel, autora do clássico contemporâneo Como Água para Chocolate, está de volta com uma parábola mágica sobre afectos, coragem e redenção. A sua linguagem plena de misticismo e espiritualidade dá vida a uma mulher excepcional, uma heroína atípica que ficará gravada para sempre na memória dos leitores.

Tenho por norma ler primeiro a sinopse ou saber de antemão do que trata o livro, pois gosto de saber em que mundo vou entrar. Claro que, por vezes, sou surpreendida porque a ideia que criei de início, não é totalmente correcta. Aconteceu-me esta situação ao ler este livro.

Lupita é uma mulher polícia no México - uma mulher num mundo de homens, num país onde o crime e a corrupção estão acima de qualquer pessoa, lei ou credo. Ora, só isto era suficiente para explicar todo o livro, mas Lupita é muito mais.
Tudo começa quando a personagem assiste ao assassínio do presidente da câmara da sua cidade. O caso tem de ser investigado pelas autoridades mas não esmiuçado pois, na realidade, há coisas que não se convém saber. Tudo poderia passar despercebido, se Lupita não se fosse meter com as pessoas erradas em busca de respostas, acabando por ficar em maus lençóis. Porquê que Lupita não ficou quieta e calada? Porquê que tentou limpar o nome do homem que esta cria ser honesto e competente? Porquê que não se limitou a esquecer? São as respostas a estas questões que vamos vendo desenrolar-se ao longo das quase 250 páginas - as dores e as mágoas de uma mulher com um passado triste e amargo, a procura da felicidade, a contemplação e o encontro da paz e da consciência. Tudo o que a levou àquele ponto e a tornou na mulher que é.
Achei particularmente interessante a divisão dos capítulos. Cada capítulo começa com uma frase descritiva: "Lupita gostava de (qualquer coisa)", o que mostra a dualidade desta. A frase em si denota a simplicidade e normalidade de uma pessoa comum mas, ao lermos o porquê de Lupita gostar de algo, entramos num mundo negro e cheio de mágoa, entramos na sua mente. Acaba, quase, por funcionar como o ponto de partida para uma análise interior, as razões da razão.

Não sendo exactamente o que estava à espera de encontrar, não desgostei do livro pois trata de assuntos bastante relevantes e reais e conseguiu por-me a pensar em certos aspectos de mim própria e até de outras pessoas.

Acho que este livro irá depender sempre do estado de espírito de cada leitor e, esse pormenor, irá ditar se irão adorar a leitura e encontrar uma mensagem formidável nela ou se será apenas a história de uma mulher num mundo de loucos.

Em Novembro chegaram...

Mas... já estamos em Dezembro? É só de mim ou este ano passou a correr? Ai, só de pensar nisso começo a sentir-me velhota. Acho que vou buscar uma manta e enroscar-me a ler um dos livros novos da minha estante que, a propósito, são fantásticos! (E não são todos?) Querem ver?


Estava convicta de que iria reduzir, e muito, a wishlist depois deste mês, mas a desgraçada continua enorme. Grrrr... Não importa, consegui vários livros que queria muito e isso deixa-me bem feliz!


Começo, então, com os amigos que deviam ter aparecido no bookhaul de Outubro mas que, por se terem atrasado a chegar, passaram para o de Novembro.
Como já devem saber, comecei a ler no verão a trilogia Millennium, quando ainda era apenas uma trilogia. Entretanto, surgiu a notícia de que o autor David Lagercrantz havia pegado na história de Lisbeth e escrito uma continuação da Millennium que se traduziu no lançamento de A Rapariga Apanhada na Teia de Aranha. Quem, como eu, gostou tanto destes livros decerto teve um pequeno ataque de sentimentos contraditórios. Ora, seria este autor capaz de manter o mesmo registo de Stieg Larsson? Conseguiria criar o mesmo ambiente envolvente? Em que sarilhos se teria metido Lisbeth desta vez? AH, a curiosidade!! Com tudo isto, era impossível deixar este livro passar ao lado.
A Rapariga no Comboio, de Paula Hawkins, acho que nem vale a pena comentar. Desde que foi lançado que se gerou um hype enorme e, sendo um thriller psicológico, não me passou outra coisa pela cabeça se não lê-lo. Este mês, finalmente, veio cá para casa.
Os Caçadores de Livros, de Raphaël Jerusalmy,é daquele tipo de livros que, por mais similar que seja a outros do género, simplesmente adoro ler. Conspirações manhosas do tempo da outra senhora? Sim, sim!!


Qualquer livro que tenha como pano de fundo a 2ª GM atrai-me instantaneamente, e Os Anagramas de Varsóvia, de Richard Zimler, não foi excepção. Encontrei-o a leilão por um preço fantástico e, por sorte, fui a única licitadora (yeah!).


Toda a gente sabe que adoro as promoções da Note!. Por norma, encontro sempre algum livro mais antigo ou que não conheço mas que me chamam a atenção, por preços muito bons. Desta vez ia focada em comprar dois livros que já tinha marcado da lista em promoção mas, para azar, quando cheguei à loja, já lá não estavam. Depois de ver o que lá havia, encontrei A Estranha Viagem do Senhor Daldry e pareceu-me muito giro. Vai ser uma companhia óptima para as minhas viagens de comboio.


Queria tanto estes dois meninos! Perguntem a Sarah Gross, de João Pinto Coelho, é um livro que, sendo passado na altura da 2ª GM, claro me captou a atenção. Entretanto começaram a surgir as opiniões à história e só cimentou a minha curiosidade.
Constança - A Princesa Traída por Pedro e Inês, de Isabel Machado, para além de ser um romance histórico que gosto tanto, tem como personagens pessoas reais da nossa história e que tão bem conhecemos. No entanto, vai dar a conhecer o outro lado da história, o amor de Pedro e Inês visto pelos olhos de Constança.


Através da Editora Teorema, a quem agradeço imenso, chegou cá a casa Os Interessantes. No seu âmago, parece-me um livro sobre crescimento, maturidade e o poder da amizade e estou desejosa para o ler. Vou guardá-lo para as férias do Natal para poder saboreá-lo com calma, pois acho que merece.

E vocês, muitas novidades? Ou estão à espera das prendinhas de Natal? Neste ponto espero que tenham mais sorte do que eu, pois raramente recebo livros como prenda :( Enfim, hajam boas leituras e o resto é conversa!

1 de dezembro de 2015

Votação - Melhor Livro 2015

Agora que chegámos a Dezembro, é mais que natural olhar em retrospectiva para o ano que está quase a terminar. Para quem gosta de ler (óbvio!) é quase sagrado o olhar para todas as leituras realizadas, as boas, as más, as assim-assim, as que eram para ter sido e as que entraram para a wishlist. E este ano que as novidades foram tantas e tão boas! Ah!
Não sei quanto a vocês, mas eu fico sempre curiosa em saber o que as pessoas acharam dos livros que foram saindo. E, dentro desta linha de raciocínio, que tal descobrir-mos quais os melhores livros lançados em 2015? Estou mesmo curiosa e vocês?

De forma a eleger os melhores livros do ano, foi criado um formulário dividido por várias categorias, tendo cada uma delas 6 opções por onde escolher. Mas não se preocupem, se não gostarem de nenhuma opção podem sempre acrescentar a vossa preferência.

A votação inicia hoje, dia 1 de Dezembro, e termina no dia 31. Os resultados serão lançados no dia 4 de Janeiro.

As opções apresentadas no formulário são baseadas nas melhores leituras do ano de um conjunto fantástico de blogues literários que se juntaram a mim nesta ingrata tarefa de escolher os melhores. Não posso seguir sem agradecer a ajuda que todas me deram (muito, muito obrigada!!). Fazer, então, favor de espreitarem os seus cantinhos, os quais eu gosto tanto de visitar:

E agora, estão preparados? Vamos a isso!! :D


Seguidores

Também no Blogloving

Follow

Quem por cá passou

Este blogue não segue nem apoia o acordo ortográfico!
Todas as imagens e textos não feitos exclusivamente para este blogue, não me pertencem. Com tecnologia do Blogger.

Copyright © Gritos Mudos Published By Gooyaabi Templates | Powered By Blogger

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com