"Life feels like a midnight ride..." - SOAD

31 de outubro de 2006

Distante

Fogo, quente fogo,
Me aquece meu frio coração...
Nesta cadeira fria
Encosto o meu corpo morto
Sem um único suspiro,
Sem um único olhar.

Observo esta parede
E fico absorta com a sua palidez,
Tão triste e fria
Como a minha própria alma!
A nudez das tuas palavras
Que como espadas me espeta
E me desalma...

Sinto-me distante...
Fecho os olhos
e a pálida parede desaparece
dentro de uma escuridão
imensa e vã...
Este silêncio cortante não cede...
Perdão... Cede sim!
Oiço a tua voz
mas não te vejo,
volto a abrir os olhos
e continuo a não te ver.

Estás longe,
friamente longe.
E eu aqui, junto a esta lareira...
A madeira é consumida,
as chamas crescem,
mas nem assim as minhas faces aquecem,
nem tão pouco esta sensação
de estar morta
e de continuar a respirar...

Volto a fechar os olhos,
volto a ouvir o som da tua voz.
Sinto as tuas mãos tocarem-me;
Estremeço...
Vejo o teu rosto sorrir-me;
Finalmente aqueço...
Também eu sorrio;
E sem querer adormeço...

23 de outubro de 2006

'Adormecido'

No cenário da tua vida
aclamas noites alucinantes
de gentes estonteantes
que são tanto como tu
No teatro do teu olhar
há quem note que a coragem
não passa de uma miragem
com preguiça de gritar
No repetir do teu mostrar
inventaste uma história
que em ti não há memória
porque sabes que não é tua...
Houve alguém que te conheceu
Que te faz tremer ao passar
porque nunca a deixaste de amar...
Continuas a ensaiar
a conveniência do sorriso
o planear do improviso
que te faz sentir maior
no artifício dos teus gestos
pensas abraçar o mundo
quando nem por um segundo
te abraças a ti mesmo
e assim vais vivendo
e assim vais andando aí
e assim vais perdendo em ti
tudo aquilo que nunca foste...
Houve alguém que te conheceu
Que te faz tremer ao passar
porque nunca a deixas-te de amar
Quando um dia acordares
numa noite sem mentira
e te vires onde não estás
vais querer voltar para trás.

Toranja

19 de outubro de 2006

És um sonho que passou,
Uma leve brisa,
Uma onda que a areia beijou...

Um leve sussurro do mar,
Uma falésia pintada pelo vento,
Um desconcerto de vida
Que por não ser vivida
Se torna um tormento...

A loucura de um beijo salgado
Entre um céu cinzento
E uma fina areia negra,
Negra como uma vida
Que por não ser vivida
Se torna um tormento...

E caio no sono,
De onde não quero acordar...
Tu és um sonho!
Embalada nesta maresia
Quero contigo sonhar...

10 de outubro de 2006

Saudade

Saudades?... O que significa afinal?
É dor, é tristeza, é alento,
É chama que queima por dentro
Sem saber o quanto nos faz mal...

E ataca-nos como um animal,
Mais rápido que o próprio vento,
Mostrando que o futuro é incerto
E não lógico como a cardeal!

É ter fome e sede de carinhos,
É vontade de bem alto gritar
Ao Mundo, que uma rosa tem espinhos!

É ter a água e querer o ar,
É querer o mar e ter caminhos,
É ser alado sem poder voar...

Seguidores

Também no Blogloving

Follow

Quem por cá passou

Este blogue não segue nem apoia o acordo ortográfico!
Todas as imagens e textos não feitos exclusivamente para este blogue, não me pertencem. Com tecnologia do Blogger.

Copyright © Gritos Mudos Published By Gooyaabi Templates | Powered By Blogger

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com