"Life feels like a midnight ride..." - SOAD

23 de agosto de 2006

Angelical Tortura

Que anjo és tu?
Que me queima o rosto
por malícia e por gosto,
com teus lábios vermelho cru?

A tua beleza a nú,
e teus olhos um posto
pecador de ternura, e composto
por um fogo de Berzebu.

Teu corpo uma malícia
que me seduz; inocentes
teus lábios uma delicia.

Meus olhos não crentes
em sua angelical perícia...
Quem és tu, anjo de lábios quentes?

Algo mais...

Mais um dia que passou... mais um dia que não faz sentido para ninguém... mais um dia na nossa vida... mais um trambolhão que sem querer todos demos sem sequer reparar... mais uma gota que caiu do céu e mais uma vez o sol brilhou... mais um dia, um café e um cigarro... mais uma nota de música que entrou e saiu sem pedir licença... mais um sorriso... mais uma lágrima rolando na face... mais uma aragem suave que tocou o corpo... mais um furacão que passou... mais uma vida... mais uma morte... mais uma ganza... mais um copo de uma bebida qualquer... mais uma palavra e uma conversa... mais um sonho... mais uma desventura... mais uma zanga... mais uma tristeza... mais uma alegria... mais uma vida... e o que é uma vida? Algo que não serve para nada, é algo que temos para poder morrer... mais um Beirão... mais um sorriso... mais uma bebedeira... mais uma juventude que passou e não se sentiu... a juventude... a maldição por onde todos passamos e não queremos lembrar... a alegria que lembramos e não podemos lembrar... mais uma viagem e uma descoberta... mais uma religião... mais uma onda no mar e uma prancha na areia... mais um dia que passa... mais uma noite... mais outra noite... mais uma loucura... uma dança, uma bebida, uma droga qualquer, uma loucura... a vida... um pensamento... amor...ódio... amar e odiar, o mesmo sentimento dividido em dois... um abraço e um beijo doce... mais uma caricia... mais uma mensagem perdida por caminhos nunca antes desbravados... mais uma estrela que caiu... mais um dia onde o sol brilha... mais uma vida... hoje foi apenas mais um dia que passou...

21 de agosto de 2006

'Say the Same'

We've walked together down this winding road,
In search of something true. Together we grew.
But now our journey has come to an end,
And it's on to something new. For me and you.

So goodbye, my friend.
Until we meet again,
Some other day.
I know so much will change.
But looking back I can say,
I wouldn't change a day. I hope you can say,
I hope you can say
The same.

So many memories, we got to make,
The challenges we met. I'll never forget.

'cause those lessons made us who we are today,
Now we're taking the next step. Without a regret.
No regret.

So goodbye, my friend.
Until we meet again,
Some other day.
I know so much will change.
But looking back I can say,
I wouldn't change a day.
I hope you can say, I hope you can say
I hope you can say,
The same.

Hold on to you, Hold on to you
'til I get to the end. I would do it again! Do it again!

So goodbye, my friend.
Until we meet again,
Some other day.
I know so much will change.
But looking back I can say, I wouldn't change a day.
I hope you can say, I hope you can say I hope you can say,

That you understand,
The only life we have,
Is here and now,
Not up in the clouds.
With every breath we can say,
It is a brand new day.
I know I can say, I know I can say!
I know I can say, The same!

Hoobastank

12 de agosto de 2006

Only words...

Aqui me encontro... Na vastidão deste dia aqui estou... Sinto o sangue palpitar-me nas veias, percorre todo o meu corpo. Sim, estou viva! Mas por quanto tempo? Palavras. Meras palavras vagueiam na minha mente. Quando irei, finalmente, ter coragem de as proferir? Um dia, sim, talvez... Encontro o que perdi. Mas foi mesmo isso que desejei? Banalidades materialistas? Hah... Jamais!! Sempre desejei o que não poderia ter... Paz... Sim! Anseio paz... Clarividência... Desejo o mundo!
E aqui me encontro... Sinto o vento tocar-me ao de leve a pele desnudada e penso no que virá... Penso no amanhã, pois o hoje não é o depois nem o agora...
E assim me encontro...

6 de agosto de 2006

My Angel

Perguntei um dia a um anjo,
esse belo alado arcanjo,
se conhecia meu amado.
O anjo olhou-me espantado
e disse-me, sussurrando:
"Conheço teu amado, senhor do teu coração,
é ele meu irmão e anda por aqui voando..."

Não acreditando sorri;
"Meu amado não anda por aqui!
Ele longe anda,
perto do mar, numa demanda,
e também é ele mortal como eu.
Estás enganado anjo,
ele não veio do céu!"

E o anjo me respondeu com doçura,
que o que ele dizia não era loucura!
"É verdade o que te digo,
e sabes que sou teu amigo
para te poder mentir!
Ele é um anjo, um anjo como eu!"
E ao isto dizer, partiu a sorrir.

Suas palavras perdidas
não ficaram esquecidas
no meu pensamento.
Até que num dia sem vento,
e que as saudades já batiam,
meu amado vejo a voar
dizendo que os anjos não mentiam!

2 de agosto de 2006

'Canção da Paciência'

Muitos sóis e luas irão nascer
Mais ondas na praia rebentar
Já não tem sentido ter ou não ter
Vivo com o meu ódio a mendigar

Tenho muitos anos para sofrer
Mais do que uma vida para andar
Beba o fel amargo até morrer
Já não tenho pena sei esperar

A cobiça é fraca melhor dizer
A vida não presta para sonhar
Minha luz dos olhos que eu vi nascer
Num dia tão breve a clarear

As águas do rio são de correr
Cada vez mais perto sem parar
Sou como o morcego vejo sem ver
Sou como o sossego sei esperar

Zeca Afonso

Seguidores

Também no Blogloving

Follow

Quem por cá passou

Este blogue não segue nem apoia o acordo ortográfico!
Todas as imagens e textos não feitos exclusivamente para este blogue, não me pertencem. Com tecnologia do Blogger.

Copyright © Gritos Mudos Published By Gooyaabi Templates | Powered By Blogger

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com